O casamento como uma escola de carácter, segundo Martinho Lutero


"Antes de me casar", relembrava Martinho Lutero, "a cama não era feita o ano inteiro e ficava suja com suor. " No entanto, quando Martinho se casou com a freira fugitiva Katherine Von Bora, a quem Lutero chamava de Katie, a cama passou a ser feita, os lençóis mudados e a casa limpa! Mas a vida não se tornou um um mar de rosas só porque Lutero se casou.

Martinho rapidamente aprendeu que o casamento significa sacrifício, olhando não só para as suas necessidades, mas também da sua esposa e família. "Há muita coisa com que precisamos de nos acostumar no primeiro ano do casamento", escreveu. "Um belo dia, acordamos pela manhã e encontramos um par de tranças na almofada que não costumavam lá estar." Roland Bainton, na sua biografia de Martinho Lutero, Here I Stand, comenta: "Ele descobriu rapidamente que um marido deve ter os desejos da sua esposa em conta ". Dando apenas um exemplo, se não fosse por causa de Katie, Martinho teria participado do casamento de Spalatin, e enfrentado violência contra ele por parte de camponeses, durante a viagem. Lutero já não podia pensar só em si mesmo, porque ele agora tinha uma esposa (e em breve muitos filhos) para cuidar.

UMA MULHER MULTIFACETADA

Martinho não levou nada para o casamento, a não ser alguns livros antigos e roupas mal cheirosas. Os Luteros começaram a vida de casados com poucos recursos financeiros. As responsabilidades em torno da casa também não eram claras. Katie teve que trabalhar dentro de casa e na terra em que viviam para atender às necessidades do lar. Lutero cuidava do jardim e Katie do pomar, lagoa e galinheiro. Katie era quem matava as galinhas, os porcos e as vacas! Martinho escreveu acerca de Katie numa carta em 1535, "Meu senhor, Katie manda cumprimentos. Ela planta os nossos campos, pastoreia e vende vacas, etc. [quanto é que cabe em etecétera??]. Ao mesmo tempo, começou a ler a Bíblia. Até lhe prometi 50 moedas de ouro se ela terminar até à Páscoa. Ela esforça-se muito e já está a acabar a leitura do quinto livro de Moisés ".

Martinho teve uma fazenda em Zulsdorf, administrada por Katie. Os Luteros passavam algum tempo na fazenda todos os anos. Comicamente, Martinho escreveu à sua muito querida Katie: "Para a senhora rica de Zulsdorf, Sra. Katherine Lutero, que vive fisicamente em Wittenberg, mas em espírito em Zulsdorf." E noutro momento, "Para minha amada esposa , Katherine, a Sra. Dr. Lutero, amante do mercado de porcos, senhora de Zulsdorf e quaisquer outros títulos que possam ser úteis para a sua Graça". Martinho não era fácil de cuidar. Muitas vezes ele estava doente e, em várias ocasiões (se não de uma só vez), sofria de gota, insónia, catarro, hemorróidas, constipação, pedra, tonturas e zumbido nos ouvidos. Bainton observa o amor de Martinho por Katie durante essas dificuldades:

"Katie era mestre em ervas e massagem. O seu filho, Paulo, que se viria a tornar médico, disse que a mãe era a metade do pai. Ela não deixava que Lutero bebesse vinho e, em vez disso, dava-lhe cerveja, que servia de sedativo para as insónias e solvente para as pedras. E era ela quem fazia a sua própria cerveja. Quando ele estava fora de casa, como ele apreciava todos os seus cuidados! Depois de um ano de casado, ele escreveu a um amigo: "A minha Katie está presente em todos os momentos, tão amável e disponível ​​para mim que eu não trocaria a minha pobreza pelas riquezas de Croesus". Lutero prestou-lhe a sua maior homenagem quando chamou a epístola de Paulo aos gálatas de "minha Katherine von Bora". A dada altura demonstrou preocupação pela sua devoção quando afirmou: "Dou mais crédito a Katherine do que a Cristo, que fez muito mais por mim".

Martinho e Katie amaram-se um ao outro, e Martinho valorizou Katie por cuidar tão bem do seu corpo doente.

UMA FAMÍLIA EM CRESCIMENTO


A casa de Lutero cresceu muito rapidamente. Katie deu à luz um filho, Hans. Martinho escreveu: "Minha querida Katie trouxe ao mundo ontem, pela graça de Deus às duas horas, um pequeno filho, Hans Luther. Tenho de parar por agora. A Katie está doente e chama-me." Com um sentido de humor particular, Lutero envolveu Hans em roupas sujas e depois disse:" Esperneia, amigo. Foi o que o papa fez comigo, mas eu libertei-me." O que mais aprecio sobre os apontamentos no diário de Lutero são a pertinência que têm para a nossa vida hoje. As madrugadas com um bebé a gritar eram cansativas e difíceis. "Hans", disse Lutero, "tem os dentes a nascer e está a tornar-se um alegre incómodo. Estas são as alegrias do casamento do qual o papa não é digno. "Ao todo, os Luteros tiveram seis filhos: Hans, Elizabeth, Magdalena, Martin, Paul e Margaretha. Lutero disse sobre Elizabeth quando nasceu em 10 de dezembro de 1527: "Deus produziu de mim e minha esposa Katie, uma pequena pagã".

Mas o ruído contínuo da casa de Lutero não era apenas devido aos seus filhos, mas também aos muitos amigos e estudantes que estavam constantemente lá em casa. Um dos exemplos mais chocantes ocorreu na noite do casamento de Martin e Katie. Às onze horas, alguém bateu à porta. Era Carlstadt, que estava fugido da Guerra dos camponeses, à procura de um lugar para ficar. Os Luteros acolheram-no, pois claro .Carlstadt não seria o último. Os Luteros tomaram conta de doentes em muitas ocasiões. O mais impressionante, no entanto, foi o amor que os Luteros tinham com os órfãos. Martinho e Katie adoptaram quatro crianças órfãs, ficando com um total de dez filhos(!) em casa. Conhecidos por terem sempre a porta aberta, às vezes a família Lutero tinha até 25 crianças e estudantes debaixo do mesmo o tecto. Escusado será dizer que esta não foi uma tarefa pequena para Katie. Mesmo às refeições a mesa estava sempre cheia. As famosas "Table Talk" ("Conversas de mesa") de Martinho começaram à mesa onde os Luteros tomavam a ceia. Os alunos ficavam, fazendo perguntas até altas horas da noite. Mas a exaustão acabou por se tornar tão grande, tanto assim que uma noite, quando Martinho ainda estava à conversa, Katie subiu ao quarto e literalmente desmaiou.

A vida era difícil. A vida familiar era difícil. O casamento era difícil. E, no entanto, Martinho e Katie sempre se amaram muito. Eles consideravam o casamento como uma escola de carácter, pelo qual Deus usa as dificuldades da vida familiar diária para nos santificar. Bainton aborda este tópico:

"Nesse sentido o mosteiro foi deslocado para ali, considerado pela Igreja como o campo de treinamento da virtude e o caminho mais seguro para o céu. Lutero, na rejeição de todos os ganhos de salvação não excluiu o exercício na força, paciência, caridade e humildade. A vida familiar é exigente. O chefe da casa tem a preocupação vitalícia sobre o pão de cada dia. A esposa tem de cuidar das crianças. Durante a gravidez, ela sofre tonturas, dor de cabeça, náusea, dor de dente e inchaço das pernas. No trabalho de parto, o marido pode confortá-la dizendo: "Pensa, querida, que tu és uma mulher e o teu trabalho agrada a Deus. Alegra-te em fazer a sua vontade. Traz esta criança ao mundo. Se morreres, é por uma causa nobre e em obediência a Deus. Se não fosses mulher, deverias desejar ser uma, para que possas sofrer e morrer em tão preciosa e nobre obra de Deus ".

Talvez, em nenhum lugar, a "escola de carácter" seja tão evidente do que na educação dos filhos. Se és pai, não imaginas o quão stressante pode ser e o quanto ajuda no teu processo de santificação, através de uma criança implacável, perturbando toda a família com gritos durante a noite. Sei muito bem o que isso é, e a minha esposa ainda mais do que eu. A casa de Lutero não foi excepção. Bainton escreve:

"A criação de crianças é um julgamento para ambos os pais. Lutero perguntou uma vez a um dos filhos: "Filho, o que fizeste para que eu te amasse? Perturbaste a família a noite toda com os teus gritos." E quando o bebé chorou por mais de uma hora seguida e os pais estavam esgotados, ele observou:" Este é o tipo de coisa que fez com que os pais da Igreja denegrissem o casamento. Mas Deus, antes do último dia, resgatou o significado do casamento." A mãe, obviamente, tem responsabilidade nisso. Mas o pai também tem o seu papel, ao pegar nas fraldas e as levar para o lixo, debaixo do olhar de troça dos vizinhos "Deixem-nos rir. Deus e os anjos sorriem no céu ".  

CASAMENTO E PACIÊNCIA

Às palavras de Martinho nunca faltaram uma boa combinação de verdade e humor bíblico. Lutero exclamou a dada altura: "Bom Deus, que sem número de problemas há no casamento! Adão tornou isto tudo numa grande embrulhada. Pensa em todas as disputas que Adão e Eva devem ter tido ao longo dos seus novecentos anos. Eva dizia: "Tu comeste a maçã", e Adão replicaria: "Tu é que me deste a maçã para eu comer".

A paciência de Katie também tinha limites. Uma das vezes falou acerca de Lutero: "Doutor, por que não páras de falar e comes?" Lutero respondeu: "Desejo que as mulheres repitam a Oração do Senhor antes de abrir a boca". Mas Bainton explica por que razão lhes faltou a paciência um com o outro,e especialmente com os seus muitos filhos:

 "Parte da dificuldade era que o ritmo do trabalho e do repouso nem sempre coincidiam no casal. Depois de um dia com crianças, animais e criados, Katie queria conversar com um adulto; E ele, depois de pregar quatro vezes, lendo e conversando com alunos às refeições, queria sentar-se descansado e mergulhar na leitura de um livro. Então Katie começava com um, "Senhor Doutor, o primeiro ministro da Prússia é o irmão do duque?"

Martinho sabia que nem sempre tinha muita paciência. Ele disse uma vez: "Toda a minha vida é acerca de paciência. Tenho que ter paciência com o papa, os hereges, a minha família e Katie ". Mas, como Bainton observa correctamente, Martinho" reconheceu que era bom para ele". Mais uma vez, o casamento e a família eram uma escola de carácter.

Apesar das dificuldades do quotidiano, Martin amou muito Katie. E ele sabia que o amor conjugal se fortalece ao longo do tempo. "O primeiro amor está embriagado. Quando a intoxicação desaparece, então vem o amor do casamento real." E novamente, Lutero escreveu:" A união da carne não faz nada. Deve também haver união espiritual".

O amor de Martinho por Katie era evidente, especialmente quando estava doente. Ele escreveu: "Oh, Katie não morras nem me deixes." Martin não aguentava a idéia de perder a sua "costela", como ele costumava chamar a Katie na brincadeira.

Mas Martinho e Katie também amaram muito seus filhos, e amaram-nos mais do que a própria vida. Talvez o julgamento mais difícil que Martinho e Katie tenham experimentado foi a morte de sua filha de 14 anos, Magdalena. No seu leito de morte, Martin orou: "Ó Deus, eu amo-a tanto, mas a tua vontade será feita". Bainton explica o que aconteceu quando morreu:

"Lutero censurou-se porque Deus o abençoou como nenhum bispo tinha sido abençoado em mil anos, e ainda assim ele não conseguiu encontrar uma forma de dar graças a Deus. Katie ficou de pé, dominada pelo sofrimento; E Lutero manteve a criança em seus braços enquanto ela morria. Quando ela foi enterrada, disse: "Minha querida, tu te levantarás e brilharás como as estrelas e o sol. Quão estranho é saber que ela está em paz e tudo está bem, e ainda assim estar tão triste! "

Paz e tristeza. Que o casamento de Martinho e Katie, bem como o amor deles por seus filhos, nos lembre hoje do amor de Cristo por sua igreja e do amor do Pai por nós como seus filhos redimidos.


- tradução livre de um texto de Matthew Barrett -

Todas as fotografias são da minha autoria, tiradas na casa-museu da família Lutero, em Wittenberg. 

Take it all



The sweetest sound, the highest praise,
Is the letting go of this life You gave.
Our greatest prayer, an act of faith,
Is an open hand; Lord have Your way.

Take it all - every hope, every dream, every plan.
Take it all - every weight, all the shame and brokenness.
Jesus, I surrender all - every victory and loss
Take it all, take it all 'till all I have is open hands.

A clenching fist, a life of fear,
A burden held, has no place here
Cause You call me now to cast it all
On the shoulders of the one who's strong.

Take it all - every hope, every dream, every plan.
Take it all - every weight, all the shame and brokenness.
Jesus, I surrender all - every victory and loss
Take it all, take it all 'till all I have is open hands.
All I have is open hands

I'm not afraid of what I lose; my greatest joy is finding You [x2]
Take it all, take it all [x2]

Take it all - every hope, every dream, every plan.
Take it all - every weight, all the shame and brokenness.
Jesus, I surrender all - every victory and loss
Take it all, take it all 'till all I have is open hands.
All I have is open hands. I surrender.
All I have is open hands. 

10 factos sobre oração comunitária

1. UM CRISTÃO NUNCA ORA SOZINHO

De acordo com Romanos 8:26-28, mesmo as orações de um só cristão são ocasião para uma conversa divina entre Deus Pai, Deus filho e Espírito Santo. Quando oramos, Deus fala com Deus.

2. O POVO DE DEUS ORA JUNTO DESDE GÉNESIS
Em Génesis 4:26 vemos que a primeira oração referida na Bíblia é uma oração do povo, em conjunto.

3. O POVO DE DEUS ORARÁ POR TODA A ETERNIDADE
Confirmamos em Apocalipse 19:1-8 que existiremos para um eterno louvor ao nosso Criador, e isso será uma oração para todo o sempre.

4. A ORAÇÃO CORPORATIVA É TRABALHO VALIOSO E ALGO EM QUE QUALQUER CRENTE PODE E DEVE PARTICIPAR
Tendemos a valorizar umas pessoas, mais do que outras, consoante as áreas de acção. Mas no que toca à oração, estamos todos em pé de igualdade. Qualquer raça, cultura, nação, sexo, idade pode chegar aos pés do Salvador e ser redimido. Pode louvá-lo com as palavras que encontra, com os meios que tem. Vemos na Bíblia que a oração de uma criança é tão valiosa quanto a oração eloquente de um adulto muito instruído (Mateus 21:15-16). John Owen dizia que: "As orações dos santos mais simples podem ser úteis ao apóstolo mais importante."

5. ORAR COM OUTROS ENSINA-NOS A ORAR
Vemos na Bíblia que Maria aprendeu com Ana, em Lucas 1:46-55; Paulo aprendeu com Estêvão (Actos 7:57 - 8:1); Jesus deu um modelo de oração aos seus discípulos (Mateus 6:9-13) e vemos também que os conduziu várias vezes a orar juntos em locais específicos (Lucas 9:28; 11:1; 22.39-46)

6. ... E MUITO MAIS.
Orando com outros não aprendemos apenas sobre oração. Aprendemos sobre teologia, arrependimento, formas correctas de fazer pedidos a Deus. Orar juntos é um treino para a nossa vida de fé.

7. QUANDO ALGUÉM ORA EM VOZ ALTA, TODOS ESTÃO A ORAR.
A oração corporativa não é passiva, não é algo a que simplesmente assistimos. É algo em que participamos. Quando alguém ora, outros louvam em simultâneo, intercedem em simultâneo. A oração comunitária é um trabalho de grupo. Quando um ora, todos estão a orar também.

8. A ORAÇÃO EM GRUPO É FUNDAMENTAL
A igreja em Actos levava a oração muito a sério. Oravam juntos em qualquer lugar, quando alguém estava doente e quando estavam cheios do Espírito. Oravam às refeições e quando estavam a sofrer perseguição. A oração tem obrigatoriamente de chegar a todas as áreas da nossa vida.

9. A ORAÇÃO EM CASA É UM ACTO IMPORTANTE DE HOSPITALIDADE E EVANGELISMO
Quando recebemos pessoas em casa, mais do que estar preocupados em servir uma boa refeição, cama lavada, convívio ou diversão, devemos preocupar-nos em oferecer alimento para a alma dos nossos visitantes, seja eles quem forem. Incluindo os nossos convidados na oração familiar, podemos ir ao encontro das suas necessidades espirituais. Se os nossos convidados não forem cristãos, as nossas orações podem servir de testemunho. Quem sabe se na partilha dessa refeição, mais tarde não nos encontraremos na partilha da refeição especial que é a ceia do Senhor?

10. RESOLUÇÃO E PREPARAÇÃO SÃO OS MELHORES REQUISITOS PARA COMBATER O CONSTRANGIMENTO DE ORAR EM PUBLICO
Todos já passámos por aquele silêncio constrangedor em que ninguém ora. Decidir orar deve sobrepôr-se à nossa vontade de orar. Quando não encontramos palavras, podemos ler um salmo como oração, por exemplo. A oração é um privilégio que qualquer cristão não pode desperdiçar.

Meditação preparada com base no livro "Praying Together: The Priority and Privilege of Prayer: In Our Homes, Communities, and Churches", Megan Hill

The Daily Examen


Uma óptima maneira de orar é procurar 
a presença de Deus nas nossas vidas. 
Há mais de 400 anos, Inácio de Loyola 
deu-nos a conhecer uma nova forma de
 integrar a oração na nossa vida quotidiana, 
propondo o que foi mais tarde chamado de 
"Exame Diário". 
O exame é uma forma de orar, reflectindo 
sobre os acontecimentos do dia para detectar 
a presença de Deus e discernir a sua direcção 
para cada um de nós. 
Experimenta esta forma de orar.


1. Toma consciência da presença de Deus. Pensa nos acontecimentos do dia na companhia do Espírito Santo. O dia pode parecer confuso- uma névoa, uma trapalhada, um emaranhado. Pede a Deus que te traga clareza e compreensão.

2. Revê o dia com gratidão. A gratidão é o fundamento do nosso relacionamento com Deus. Percorre o dia na presença de Deus e anota as suas alegrias e delícias. Concentra-te nas coisas boas do dia. Olha para o trabalho que fizeste, as pessoas com quem interagiste. O que recebeste de cada uma? O que deste a cada uma? Presta atenção às coisas pequenas - a comida que comeste, as paisagens que viste e outros prazeres aparentemente pequenos. Deus está nos detalhes.

3. Presta atenção às tuas emoções. Uma das coisas que Inácio chegou à conclusão foi que podemos detectar a presença do Espírito de Deus na forma como gerimos as emoções. Reflecte sobre os sentimentos que experimentaste durante o dia. Tédio? Exaltação? Ressentimento? Compaixão? Raiva? Confiança? O que Deus te diz através desses sentimentos?

Deus provavelmente irá mostrar-te algumas formas de como falhaste. Anota esses pecados e essas falhas. Mas procura profundamente outras implicações. Um sentimento de frustração talvez signifique que Deus deseja que tu consideres uma nova direcção em alguma área do seu trabalho? Estás preocupado com um amigo? Talvez devas encontrar forma de falar com esse amigo.

4. Escolhe uma característica do dia e ora por ela. Pede ao Espírito Santo que te dirija a algo durante o dia que Deus pense que é particularmente importante. Pode envolver um sentimento positivo ou negativo. Pode ser um encontro significativo com outra pessoa ou um momento intenso de prazer ou paz. Ou pode ser algo aparentemente insignificante. Olha para isso. Ora sobre isso. Permite que a oração surta espontaneamente do teu coração - seja intercessão, louvor, arrependimento ou gratidão.

5. Olha para o futuro. Pede a Deus que ilumine os desafios de amanhã. Presta atenção aos sentimentos que emergem à medida que examinas o que está a acontecer. Estás desconfiado? Alegre? Apreensivo? Sonhador? Permite que esses sentimentos se transformem em oração. Procura a orientação de Deus. Pede-lhe ajuda e compreensão. Ora por esperança.

Inácio incentivou as pessoas a conversar com Jesus como um amigo. Termina o exame diário com uma conversa com Jesus. Pede perdão pelos teus pecados. Pede protecção e ajuda. Pede sabedoria para as dúvidas que tens e os problemas que enfrentas. Faz tudo isto com um espírito de gratidão. A tua vida é um presente, e é enriquecida com presentes de Deus. Termina o exame diário com a oração do Pai Nosso.

Traduzido daqui.

Verdadeiros amigos são difíceis de encontrar

Qual a essência da amizade cristã? Será que o nosso conceito de amizade, baseado na empatia e semelhança de gostos, que esfria rapidamente com desencontros, é uma amizade cristã, ou uma amizade traçada pelos padrões do mundo?. Este artigo ajuda a esclarecer.
São mais chegados do que família, e geralmente, são quem te conhece melhor. Oram por coisas maiores para ti do que tu mesmo. Acreditam em ti quando a tua fé é fraca. Arranjam sempre um espacinho para ti quando a vida desmorona, e alegram-se contigo quando tudo está bem. Mais importante ainda, os verdadeiros amigos lembram-te constantemente quem e o quê é o mais importante.

A essência da amizade cristã é um relacionamento forjado no fogo por duas convicções:

1) Só Jesus pode satisfazer a alma
e
2) O reino de Deus é a única coisa para a qual vale a pena viver.

INIMIGOS DISFARÇADOS?

A amizade cristã é um tesouro porque nos ajuda a  apegarmo-nos ao nosso maior tesouro.

Jesus é o nosso pão da vida, a nossa água viva, a nossa pérola de grande valor, a nossa luz, a nossa ressurreição, a nossa própria vida. O maior perigo para as nossas almas é que possamos abandonar a nossa permanência nele , que deixemos de o seguir, que deixemos de procurar a nossa alegria nele.
Portanto, o melhor presente que um amigo nos pode dar é um compromisso de lutar pela nossa alegria e comunhão com Cristo.

Por outro lado, a pior distorção da amizade surge quando um amigo nos encoraja, consciente ou inconscientemente, a colocar as nossas afeições noutro lugar. O apóstolo Pedro, sem querer, representou esse tipo de distorção em Mateus 16. Jesus diz aos discípulos que irá morrer e ressuscitará (Mateus 16:21). Pedro repreende Jesus com o que certamente foi um comentário bem-intencionado de um amigo sincero: "Longe disso, Senhor! Isto nunca te acontecerá!"(Mateus 16:22).

Parece a mais profunda, mais genuína e mais bela forma de amizade, mas as palavras de Pedro colocam Jesus e a sua obediência ao Pai em causa. A ignorância de Pedro transformou um amigo em inimigo, pelo menos por instantes. "Para trás de mim, Satanás! Tu és uma pedra de tropeço"(Mateus 16:23). O que Pedro achou útil, Jesus chamou de obstáculo. O que Pedro assumiu como uma amizade piedosa, Jesus chamou de oposição satânica.


CINCO MARCAS DA AMIZADE CRISTÃ

Então, como podemos evitar o erro de Pedro nas nossas amizades? Como podemos ser um amigo que preserva e fortalece a fé dos outros? Aqui estão cinco maneiras distintas como verdadeiras amizades cristãs podem reforçar o nosso amor por Cristo através do nosso amor uns pelos outros.

1. Os verdadeiros amigos aumentam a nossa alegria em Deus.

A companhia aprofunda sempre a alegria. O meu filme favorito é bom quando o vejo sozinho, mas é melhor com um amigo. De alguma forma, uma grande refeição é mais saborosa ainda quando compartilhada. Naturalmente arrastamos os nossos amigos para o que gostamos: "Tens que ver este filme!", "Tens de vir a este restaurante comigo!"

Mas de todas as alegrias da vida, Deus é a maior delas todas! Fomos feitos para ele - para desfrutá-lo e centrar os nossos corações e vidas nele. E, como qualquer outra alegria, a nossa alegria em Deus será mais plena quando a compartilharmos com outras pessoas. Amigos cristãos ajudam-nos a desfrutar de Deus, desfrutando-o connosco.

É tentador inverter e distorcer esta fórmula usando Deus como um meio de desfrutar mais as pessoas. Se nós só vamos a ele para pedir que desfrutemos mais os nossos cônjuges, amigos ou filhos, isto revela que vemos Deus como um meio para chegar a outra pessoa. Devemos fazer o contrário: procurar mais dele nas outras pessoas. Ironicamente, gostaremos mais dos nossos amigos, mais das nossas amizades se eles ou elas se tornarem um meio de desfrutar mais e melhor de Deus.

2. Os verdadeiros amigos expõem o pecado em nós e que nos mantém afastados de Deus.

"Leais são as feridas feitas pelo amigo, mas os beijos do inimigo são enganosos." (Provérbios 27: 6)

O pecado engana-nos. Escurece o nosso entendimento e  torna-nos tolos. Tanto que podemos estar  em pecado e convencidos de que estamos a obedecer a Deus (lembra-te dos fariseus). É por isso que precisamos desesperadamente de amigos.

Precisamos de amigos para nos mostrar amorosamente o nosso pecado. Precisamos de amigos para nos ajudar a ver os nossos pontos cegos. Precisamos de amigos para falar com honestidade brutal (Mateus 18:15) e terna compaixão (Gálatas 6: 1), dizendo-nos a verdade sobre nós mesmos, mesmo quando não queremos ouvi-la (Efésios 4:15).

Esta é uma função vital da comunidade que poucas pessoas querem. Geralmente preferimos ter amigos que nos dizem o que queremos ouvir, que nos mostram a falsa graça de desculpar o pecado e nos dão a falsa esperança de que podemos aproximar-nos de Deus sem arrependimento. Mas porque o pecado é um veneno para as nossas almas e um ladrão da nossa alegria em Deus, não podemos permitir-nos abandonar esse tipo de amizade.

3. Os verdadeiros amigos encorajam-nos a obedecer a Deus.

"E consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras" (Hebreus 10:24, ver também Hebreus 3:13)

Embora seja verdade que precisamos de amigos para nos ajudar a ver a desobediência, também precisamos deles para nos encorajar à obediência. Muitas vezes, a obediência a Deus exige mais coragem do que que aquela que conseguimos ter sozinhos. Sem a palavra animadora e fiel dos amigos cristãos, facilmente nos encolhemos numa apatia, não querendo deliberadamente desobedecer, mas também com muito medo de avançar.

O incentivo que nos é dito para dar não é elogio fácil, ou inspiração superficial. Encorajar é dar coragem e força aos outros para a tarefa intimidante que têm de enfrentar. Como amigos, damos-lhes uma visão ampliada da importância que a sua obediência tem para o reino de Deus. Afirmamos que a sua obediência glorifica a Deus e conta na eternidade.Seja qual for a forma, o incentivo motiva os outros a continuarem a correr a corrida específica que Deus traçou para eles.

4. Os verdadeiros amigos levam-nos a Deus no meio da nossa fraqueza.


"Vieram alguns homens trazendo um paralítico numa maca e tentaram fazê-lo entrar na casa, para colocá-lo diante de Jesus.
Não conseguindo fazer isso, por causa da multidão, subiram ao terraço e o baixaram em sua maca, através de uma abertura, até o meio da multidão, bem em frente de Jesus."
(Lucas 5: 18-19)

Caminhar pela vida num mundo que despreza Deus, com a nossa carne dominada pelo pecado, contra um inimigo dominado pelo inferno, torna-se muito difícil viver as tentações sozinho. Sozinhos, acreditamos facilmente nas mentiras de Satanás. Sozinhos, nós nos curvamos sob o peso do nosso pecado. Sozinhos, ficamos desanimados e cansados. Como o paralítico, precisamos da ajuda de outros crentes para sermos levados a Deus.

Então, como podemos trazer outros a Deus? Ouvimos uma irmã confessar um pecado oculto e ajudamo-la a ser lavada com a verdade que Cristo a purificou e a fez completa. Podemos satisfazer as necessidades práticas daqueles que sofrem um sofrimento intenso, em nome de Jesus. Ou podemos simplesmente trazer os nossos amigos a Deus em oração, pedindo-lhe para fazer coisas maiores nas suas vidas do que nós podemos fazer por eles.

5. Os verdadeiros amigos amam-nos para a glória de Deus.

"Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus." (1 Coríntios 10:31)

A ideia do mundo de intimidade na amizade é criar muita dependência uns dos outros: "Eu não posso viver sem ti!" Cumprimentos e promessas de devoção rapidamente dão uma breve e falsa adrenalina destituída de importância e significado. Certamente, precisamos encorajar-nos uns aos outros, mas os amigos cristãos devem estar muito mais concentrados no peso e no significado de Deus - não no seu próprio ou dos seus amigos.

Como tudo mais, o objetivo final das nossas amizades deve ser Deus e a sua glória. Uma vez que os nossos corações são propensos a vaguear e adorar outras coisas, precisamos desses lembretes constantes da sua glória e do seu valor nas nossas amizades.

Artigo de Kelly Needham, traduzido livremente por mim.


a·le·gri·a
(alegre + -ia)
substantivo feminino
Sentimento de grande contentamento, que geralmente se manifesta por sinais exteriores. = FELICIDADE, GÁUDIO, JÚBILO, REGOZIJOTRISTEZA
(Dicionário priberam)

É difícil esconder a alegria, não é? Uma pessoa alegre tem uma postura de contentamento, dificilmente consegue ser indelicada, tem uma expressão facial agradável. Uma pessoa alegre não desanima à primeira contrariedade e traz esperança ao redor. 

São poucas as pessoas que incluo nesta categoria de alegria permanente. Por coincidência – ou não, que eu não acredito em coincidências – estas pessoas que trazem alegria com elas, não são propriamente pessoas poupadas de sofrimento. São até pessoas a quem se reconhecem desafios vários, e que ainda assim, não se deixam dominar por eles. Parece-lhes fácil.
Quando pensamos nesta coisa de ser alegre, é como se a considerássemos uma qualidade com que se foi bafejado ou não. Mas a Bíblia não defende isto. A Bíblia fala de como a alegria é algo que podemos e devemos ter, enquanto cristãos, mas que tem uma única fonte: Deus. Aliás, desde todo o início do mundo, é bem claro que fomos criados com um propósito único: agradar a Deus , dar-lhe o louvor devido, e isto só se faz com alegria. 

Tantas vezes encontramos pelos salmos um desejo de alegria, um pedido expresso de um coração alegre (“Restitui-me a alegria da tua salvação e sustenta-me com um espírito obediente.”- Salmos 51:12). Por outro lado, encontramos também passagens que enfatizam a ideia de que só encontramos alegria no Senhor Deus, e que precisamos buscar essa alegria apenas e só nele. A alegria é um fruto do Espírito, juntamente com amor, paz, paciência, benignidade, fidelidade, amabilidade e domínio próprio. São imperativos para um cristão. 

Esta obrigatoriedade assusta-me muitas vezes, porque infelizmente não sou uma pessoa naturalmente alegre. A minha alegria fica tantas vezes toldada pelas circunstâncias: o carro que avaria, os filhos que não obedecem, as expectativas que não conseguimos cumprir. Mas descanso quando penso que esta alegria não vem de mim. Preciso procurar a alegria na fonte certa, e isto só se consegue pedindo ajuda a Deus. Relembrando a segurança da salvação que recebi com a morte de Jesus na cruz, e relembrando que não há alegria como esta. Começar, todos os dias, com esta lembrança pode ajudar-nos a mudar a perspectiva de desânimo e dias de maiores (ou até permanentes) desafios. Esta alegria nada nem ninguém nos pode tirar. É a maior de todas. 

- Texto publicado originalmente na revista Lar Cristão -

Eu sou.

Certezas sobre Jesus:

"Eu sou a videira verdadeira.
  Eu sou o pão da vida.
  Eu sou o caminho, a verdade e a vida.
  Eu sou a luz do mundo.
  Eu sou a ressurreição e a vida.
  Eu sou a porta.
  Eu sou o bom Pastor."


Oração por misericórdia

Pai do Céu.
Vejo coisas feias. Injustas
Presencio pessoas cheias de arrogância, que se magoam constantemente.
Dá-me olhos para ver a minha própria arrogância.
Muda a minha visão das coisas,
dá-me olhos como os de Cristo.
Ajuda-me a não condenar,
e a ter a misericórdia que tu tens.
Ajuda-me a amar, porque o julgamento só tu podes fazer.
Ajuda-me a ver todos como Tu me vês a mim: incompleta, imperfeita, pecadora, mas amada pelo teu grande amor.
Muda o meu olhar, Senhor.

A Bíblia instagram



Tomem cuidado com a "Bíblia Instagram", minhas filhas - os quadros filtrados com versos de penas, enfeitados com toda a espécie de loops, com flores, ou com pores do sol saturados, feitos à tua medida.

Cuidado se esta é a tua única fonte de pão diário. Dá-te apenas uma verdade parcial.

De noite tive uma visão, e eis que sonhava com um mundo em que cada exemplar da Bíblia tinha desaparecido, excepto aquelas partes que tínhamos publicado no Instagram. Imaginemos esta Bíblia, se me permites:

As molduras perfeitas encaixam perfeitamente nos provérbios, nas promessas e nas citações parciais. Deixam de fora as leis, as listas, as longas lições que não cabem num curto espaço.

Esta Bíblia conforta, mas raramente convence.

Emociona mas raramente exorta.

Aquece mas raramente adverte.

Promete, mas raramente pede.

Promove a auto-confiança, mas não incentiva o auto-exame.

Reúne um conjunto de pessoas, que por contingências de espaço, são obrigadas a escolher entre

brevidade ou amplitude,
inspiração ou intelecto,
devoção ou doutrina.

Cuidado com a moldura floreada, onde a caligrafia é mais importante que o contexto.

Cuidado.

Se o evangelho da prosperidade nos ofereceu tudo e mais alguma coisa, o Evangelho Instagram oferece-nos todas as que apenas sentimos. Ele prega uma boa notícia em parte, mas precisamos do todo. Pode ajudar-nos a prosseguir no momento, mas não nos sustenta no meio da tempestade.

Queridas irmãs, não me interpretem mal. Tal como vocês, não desejo publicar na minha conta Insta leis levíticas emolduradas com flores. Nem desejo genealogias, com um fundo de pôr do sol. Não estou a incentivar uma censura ao que é belo, sou até a primeira a gostar de uma palavra bonita de encorajamento.

Não acho que a Bíblia Instagram deva publicar tudo. Posso valorizar, ou até mesmo apreciá-la pelo que ela é.  Mas podemos ser atraídas pelo aspecto bonito do texto, e passarmos a amar apenas uma parte em vez do todo.

A menos que vivamos como no meu sonho.

Cuidado com a Bíblia Instagram. Ela brilha mas apenas com uma luz parcial. Devemos saber o que ela  nos diz no seu todo, mas também o que ela não diz.


Jen Wilkin

He walks with me



Though now we have trials
We wait for salvation
Though tested by fire
We suffer with joy

By his great mercy
Our hope has been born again
Faithful as the morning
We are raised up with Christ

And I cannot see him
But oh how I love him
I cannot see him, but I believe
I know he walks with me.
I believe, that he walks with me.

Raised up with the priesthood
To witness his wondrous works
Called out from the darkness
To shimmering light

Acordar com esta certeza



We will feast in the house of Zion
We will sing with our hearts restored
He has done great things, we will say together
We will feast and weep no more

We will not be burned by the fire
He is the LORD our God
We are not consumed, by the flood
Upheld, protected, gathered up (Chorus)

In the dark of night, before the dawn
My soul, be not afraid
For the promised morning, oh how long?
Oh God of Jacob, be my strength (Chorus)

Every vow we’ve broken and betrayed
You are the Faithful one
And from the garden to the grave
Bind us together, bring shalom.

He will hold me fast

Há alturas na vida em que preciso ouvir esta música muitas, muitas vezes.

“When I fear my faith will fail
Christ will hold me fast
When the tempter would prevail
He will hold me fast
I could never keep my hold
Through life’s fearful path
For my love is often cold
He must hold me fast


He will hold me fast
He will hold me fast
For my Savior loves me so
He will hold me fast

Those He saves are His delight
Christ will hold me fast
Precious in His holy sight
He will hold me fast
He’ll not let my soul be lost
His promises shall last
Bought by Him at such a cost
He will hold me fast

For my life He bled and died
Christ will hold me fast
Justice has been satisfied
He will hold me fast
Raised with Him to endless life
He will hold me fast
Till our faith is turned to sight
When he comes at last

Oração

A única certeza que tenho em comum com Agostinho é que é realmente duro seguir-te, Senhor. Mas é tão fácil abandonar-te, ignorar-te, deixar-te. Por isso, Senhor, eu sei que vai ser duro continuar a seguir-te. Mas, por favor, ajuda-me a que me seja impossível deixar-te.

Living waters




Are you thirst?
Are you empty?
Come and drink these Living Waters.

Time unbroken 
Peace unspoken 
Rest beside these Living Waters 
Christ is calling 
Find refreshing 
At the cross of Living Waters 
Lay your life down On Thee, all come
Rise up in these Living Waters

There's a river that flows 
With mercy and love Bringing joy to the city of our God 
There our hope is secure 
Do not fear anymore 
Praise the Lord of Living Waters 

Spirit moving 
Mercy washing 
Healing in these living waters 
Lead your children to the shore line 
Life is in these Living Waters 

Consolo

"Os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fui feito, e entretecido nas profundezas da terra. Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia."

Salmos 139:15,16

Imagem retirada do Pinterest.

Feito para voar!



Alguma vez observaste águias a ensinarem aos seus filhos como voar? Mete pena. Coitadinhas das águias bebés. Imagina que num minuto estás todo aconchegado num ninho quentinho e confortável, e no seguinte és arrastado para fora - pelos teus próprios pais! Mas os pais sabem o que estão a fazer.

À medida que os bebés são empurrados, batem as asas em pânico - e vão-se tornando mais fortes. Os pais amparam-nos e pegam-nos pelas asas sempre que começam a perder o equilíbrio, levantando-os, vez após vez, até que por fim o bebé aprende a fazer aquilo para o qual nasceu- voar!

 E a Bíblia diz que tu foste também feito para voar - para repousar no amor de Deus, confiando nele, amando-o. Nasceste para voar!

"Aqueles que confiam no Senhor encontrarão novas forças, irão voar alto como as águias!" Isaías 40:31

Carros



E se em vez de gasolina, enchêssemos o tanque do carro com cerelac? Não, seria uma má ideia! Ou se fosse sopa, por exemplo? O carro não iria andar, não saíria até do mesmo sítio.

A Bíblia diz que se colocarmos outra coisa no centro das nossas vidas, que não seja Deus, nós também não iremos funcionar como deve ser. Fomos feitos para o amor e para a alegria - não para o pecado e para lágrimas. A Bíblia diz que apenas Deus compreende o coração humano e que sabe como ele funciona melhor - até porque foi ele quem o criou. E apenas aquele que inventou o coração, o pode reparar.

"Fui enviado para curar todos os corações despedaçados". - Isaías 61:1

O tempo de Deus

 

Recordas-te da matemática de Deus? E acerca do tempo de Deus, lembras-te? 
1000 anos = 1 dia 
1 dia = 1000 anos 

Lembra-te de Moisés. Deus escolheu-o para ser um grande líder - tinha já 80 anos. 

E Abraão? Deus iria dar-lhe um filho - com a idade de 100 anos! 

Ou da filha de Jairo. Todos queriam que Jesus se apressasse para ir ao encontro dela para a curar antes que ela morresse - mas Jesus parou no caminho para curar uma velha senhora. "Chegaste demasiado tarde!" - todos disseram a Jesus. Mas lembras-te do tempo de Deus? O atraso de Jesus salvou aquela senhora. E significou que não curou apenas a filha de Jairo - ressuscitou-a! 

Às vezes parece-te que Deus se esqueceu de ti? Se Deus parece se estar a atrasar, não é sinal de que as coisas irão ficar piores. Significa que o atraso é sinal de algo melhor e maior irá acontecer. 

"...o tempo está nas minhas mãos" - Salmos 31:15

Mas Deus!

 

Estas duas palavras são as mais importantes em toda a Bíblia - aparecem escritas 3930 vezes. Quando tudo parece acabar, quando parece já não existir esperança - Mas Deus! Deus faz algo. Vira tudo do avesso.

Essas palavras são como uma sirene dos bombeiros a soar. A ajuda vai a caminho!

Adão e Eva deixaram o jardim. "Mas Deus sussurrou-lhes uma promessa." Um dilúvio estava prestes a acontecer. "Mas Deus lembrou-se de Noé." Éramos incapazes. "Mas Deus mostrou o seu grande amor por nós enviando Cristo." O que quer que esteja a acontecer na tua vida hoje - olha para cima! A ajuda vem a caminho.

"Ainda que a minha carne e o meu coração desfaleçam Deus é a fortaleza do meu coração. " - Salmos 73:26

Antes de tudo!



Antes de Deus ter criado as estrelas da manhã para que brilhassem.
Antes de ter feito os mares.
Antes de ter criado as montanhas.
Antes de ter feito qualquer outra coisa, Deus fez algo.
O quê? Amar-te. E escolher-te para seres dele.

"Mesmo antes de ter feito o mundo, Deus amou-nos e escolheu-nos." - Efésios 1:4

Amor



O que é o amor? Será um sentimento dentro do nosso coração? A Bíblia conta-nos que o amor é muito mais do que isso: que é paciente, amoroso, nunca resmunga, não quer fazer a sua própria vontade, nunca se coloca em primeiro lugar, não é orgulhoso, nunca acaba. É uma lista enorme, não é?

Quem é que consegue amar assim? Apenas um. Aquele que deixou o seu Pai e o seu trono no céu para viver no nosso meio. Veio mostrar-nos aquilo que o amor realmente é. Porque, sabes, o amor não é uma lista de coisas. É uma pessoa.

"Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu único filho...." João 3:16

Conhecendo Deus





O mundo de Deus brilha todo em nosso redor. Os céus, as árvores, os animais - sem sequer dizerem uma palavra - demonstram o quão poderoso, inteligente e bonito Deus é. Mas eles não nos contam acerca de tudo. Não têm como nos dizer a coisa mais importante de todas. Não nos podem explicar o seu amor. O seu infindável, inquebrável, imparável amor. O amor que fez as estrelas. Que colocou a terra e o céu junto a nós. De todas as coisas criadas para existirem connosco.

Não. Para podermos ver realmente o amor de Deus, temos de olhar para uma única coisa: para Jesus.

"Cristo é a imagem visível de Deus invisível" - Colossenses 1:15

A galeria de Deus




Deus fez todas as coisas – pelo prazer de as criar. Tal como um artista.

Jonathan Edwards disse que o mundo inteiro é uma espécie de galeria, uma exposição de Deus, que reflecte as suas maravilhosas obras de arte. Tudo ao nosso redor nos fala acerca de Deus. Cada floco de neve sussurra: “Foi Deus quem nos desenhou assim bonitos!” Cada criatura do bosque proclama: “Que bonito é aquele que nos criou!” O universo diz-nos que não se criou a si mesmo. Foi Deus quem o criou! E sabes a quem Deus se refere quando fala da sua obra prima? A ti.

“Somos a obra prima de Deus. “- Efésios 2:10

Acredita

 



“Deus é capaz de fazer tudo o que promete.” – Romanos 4:21

Deus pediu a Noé que construísse uma arca no meio do deserto – quando nem uma única nuvem aparecia no céu. Abraão tinha 100 anos, a sua mulher tinha 90 e Deus prometeu-lhes um bebé. Deus disse a Josué que iria derrotar a cidade de Jericó sem travar uma batalha, apenas com gritos. Parece loucura, não parece?

Muitas vezes, Deus pede aos seus filhos para fazerem coisas que eles não compreendem. E promete coisas que aos nossos olhos são impossíveis. Em quem vais acreditar? No que os teus olhos vêem? No que a tua mente consegue imaginar? Ou no que Deus te garante?

Como um cervo




Alto, íngreme, rochoso, escarpado, assustador – os pés dos cervos (ou veados) são feitos para locais com essas características. Os cervos ou os veados conseguem permanecer nos sítios mais altos do mundo.

A Bíblia conta que Deus tem sítios bem altos onde deseja colocar-te. O caminho onde Deus te levar pode ser íngreme. A subida pode ser custosa. A estrada muito estreita e perigosa. Mas ele prometeu que estará sempre contigo. Ele irá certificar-se que este caminho será perfeito para ti. Ele tornará os teus pés como os dos cervos – preparados para estes desafios.

“Deus… torna o meu caminho perfeito. Faz os meus pés como o das cervas e põe-me nas alturas.” – Salmos 18:32

Algo bonito para Deus



O que achas que poderias fazer com toda a tua vida, de forma a deixar Deus feliz? Compor uma canção? Subir à mais alta montanha? Construir um monumento? Pintar um quadro? Inventar algo brilhante? Orar durante muitas horas?

Pode acontecer Deus pedir-te para fazeres alguma dessas coisas. Mas sabes o que agrada a Deus, mais do que que qualquer outra coisa? O que o deixa mesmo feliz e contente? Quando confias nele. E acredita, ele ama-te muito!

“Conta-me do teu amor pela manhã, Senhor, porque em ti confio.” – Salmos 143:8