"Estende a tua capa sobre mim"

O que nos dias de hoje seria visto como um acto estranho e a resvalar para um momento ilícito de relações sexuais, é lido hoje por mim no livro de Rute como nunca antes ( e li o livro umas quantas vezes durante a minha vida).

A forma como este momento é descrito tem uma beleza especial. Rute pede a Boaz que tome conta dela, Boaz respeita-a e honra as regras sociais para o casamento (havia um parente mais próximo) e vemos duas pessoas apaixonadas, comprometidas em fazer o que é certo e mantendo assim a integridade.


Excerto do capítulo 3:

"Havendo, pois, Boaz comido e bebido, e estando já o seu coração alegre, veio deitar-se ao pé de um monte de grãos; então veio ela de mansinho, e lhe descobriu os pés, e se deitou.  E sucedeu que, pela meia-noite, o homem estremeceu, e se voltou; e eis que uma mulher jazia a seus pés.  E disse ele: Quem és tu? E ela disse: Sou Rute, tua serva; estende pois tua capa sobre a tua serva, porque tu és o remidor. E disse ele: Bendita sejas tu do SENHOR, minha filha; melhor fizeste esta tua última benevolência do que a primeira, pois após nenhum dos jovens foste, quer pobre quer rico.  Agora, pois, minha filha, não temas; tudo quanto disseste te farei, pois toda a cidade do meu povo sabe que és mulher virtuosa. Porém agora é verdade que eu sou remidor, mas ainda outro remidor há mais chegado do que eu. Fica-te aqui esta noite, e será que, pela manhã, se ele te redimir, bem está, que te redima; porém, se não quiser te redimir, vive o SENHOR, que eu te redimirei. Deita-te aqui até amanhã. Ficou-se, pois, deitada a seus pés até pela manhã, e levantou-se antes que pudesse um conhecer o outro, porquanto disse: Não se saiba que alguma mulher veio à eira. Disse mais: Dá-me a capa que tens sobre ti, e segura-a. E ela a segurou; e ele mediu seis medidas de cevada, e lhas pôs em cima; então foi para a cidade. "