Pessoas da cruz

É domingo. O dia a seguir ao dia dos namorados. Pois, como é que dizem? "O amor sempre vence". Pois, afinal quem é que quer ser - como aqueles que acabaram de morrer - "Pessoas da cruz"? A cruz é ofensiva! A cruz não se parece com amor, nem com romance, nem com nenhum qualquer slogan de pensamentos positivos.

Pois, perguntem aos 21 egípcios cristãos prestes a serem degolados, prestes a terem literalmente as suas cabeças a rolar pelo chão - simplesmente porque são essas "pessoas da cruz"- e sim, a Cruz nãovos torna amigos do pessoal do ISIS, nem do pessoal dos pensamentos positivos, nem do vizinho do lado e nem dos colegas de trabalho.

A Cruz será sempre confusa, será sempre nojenta, feia, e aparentar-se-á sempre com um martelo e não como uma oportunidade de resgate. E sim, talvez muitas vezes nas nossas vidas nós preferimos ser as pessoas do amor inofensivo em vez das pessoas da ofensiva cruz.

Como é que nos tornámos nestas pessoas?

Mas Jesus, ele que é o Verbo que se fez carne, foi Ele quem determinou que o Amor - o verdadeiro Amor - só tem lógica, só encontra significado quando é encontrado na CRUZ.

Deus é Amor. E Deus é a essência do Amor. Amor esse que encontrou a sua expressão máxima na Cruz! É assim que Deus nos demonstra o Seu amor: através da Cruz. É assim que demonstramos amor: através da Cruz.

E pronto, talvez não seja assim tão popular dizer isto tudo, mas também a medicina, o exercício e coisas difíceis nem sempre soam a politicamente correctas, mas isso não significa que não estejam mesmo correctas:

Qualquer tipo de amor que não tenha o ferro dos pregos da cruz nele, é um amor anémico. Amor sem cruz é um amor efémero: porque se trata apenas de nos sentirmos bem e não de nos tornarmos pessoas novas.

Há pessoas a morrer por uma fé que tomamos por garantida, que tantas vezes escondemos debaixo do tapete, que pintamos para os outros como uma fé fácil e com cheiro a baunilha - não espanta que não sejamos perseguidos!

Excerto de texto de Ann Voskamp, adaptação  livre.