Salmos 19





Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos. Um dia faz declaração a outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite. Não há linguagem nem fala onde não se ouça a sua voz.
O salmo trata da revelação de Deus ao salmista. Podemos dizer que exprime a forma como Deus se revela ao autor. Nestes primeiros versos vemos que esta revelação é feita através da observação da criação. Quando ele fala do céu e do firmamento.  O dia a noite os animais as pessoas todos os sons da natureza apontam para Deus. Além de perceber a grandiosidade de Deus através da criação o salmista dá especial destaque ao sol.


A sua linha se estende por toda a terra, e as suas palavras até ao fim do mundo. Neles pôs uma tenda para o sol, O qual é como um noivo que sai do seu tálamo, e se alegra como um herói, a correr o seu caminho.

A sua saída é desde uma extremidade dos céus, e o seu curso até à outra extremidade, e nada se esconde ao seu calor.
O sol era muito importante no mundo antigo e o salmista escolhe o sol para falar da grandiosidade da criação de Deus. Mas ele mais do que isso fala do sol como sinal da glória de Deus. Este aspeto é muito importante porque muitos dos povos em torno do povo de Israel tinham o sol como uma divindade e o salmista ao referir isto está a mostrar que o sol não é uma divindade mas sim um reflexo da divindade de Deus. Muitas vezes associamos que Deus nos fala principalmente através do discurso religioso mas aqui o salmista percebeu a existência, o poder de Deus a sua grandiosidade através daquilo que ele criou. Até aqui o salmista falou da criação e ao olharmos agora para o verso seguinte parece que o salmista está a mudar de tema. O assunto agora é a lei do senhor. Aparentemente parece que agora o tema é outro mas não. O salmista está a dizer que Deus se revela através da sua criação mas também através da sua palavra.

A lei do Senhor é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho do Senhor é fiel, e dá sabedoria aos símplices.

Os preceitos do Senhor são retos e alegram o coração; o mandamento do Senhor é puro, e ilumina os olhos. O temor do Senhor é limpo, e permanece eternamente; os juízos do Senhor são verdadeiros e justos juntamente.
O salmista vê Deus primeiro através da criação, e passa para a contextualização ao falar do sol como reflexo da glória de Deus e não como uma divindade, para agora existir um crescendo na poesia do salmo. A palavra do Senhor é chamada de diversos nomes: a lei, o testemunho, os preceitos, os mandamentos do senhor adjetivados como perfeita, fiel, reta, pura. O contacto direto com a palavra de Deus produz alegria, poesia, produz arte. A experiência que o salmista tem com Deus vai ainda mais além para ele: não é apenas seguir um mandamento ou obedecer ele compara a sua experiência através do paladar. 

Mais desejáveis são do que o ouro, sim, do que muito ouro fino; e mais doces do que o mel e o licor dos favos.
A sua experiência com Deus mediada pela palavra tinha um bom sabor para o salmista. A palavra de Deus para o salmista era tão boa como comer um favo de mel.O relacionamento com Deus produz alegria, produz um bom sabor. Não estamos distantes da alegria quando estamos na presença de Deus.

Também por eles é admoestado o teu servo; e em os guardar há grande recompensa. Quem pode entender os seus erros? Expurga-me tu dos que me são ocultos. Também da soberba guarda o teu servo, para que se não assenhorie de mim. Então serei sincero, e ficarei limpo de grande transgressão.
 Foi o contacto com a palavra que deu vontade de fazer aquilo que Deus quer. A palavra produz alegria, prazer, a alegria que desejamos.  O salmista pede ajuda a Deus para fazer a sua vontade. É a palavra de Deus que tem capacidade de mostrar os nossos erros.

Sejam agradáveis as palavras da minha boca e a meditação do meu coração perante a tua face, Senhor, Rocha minha e Redentor meu!
A experiência que o salmista tem com Deus e a alegria que ele tem em Deus  cria nele o desejo de também agradar a Deus. Ele poderia ter outros desejos mas o seu desejo é que assim como Deus produziu uma alegria enorme na vida do salmista eu também gostaria de com a minha vida alegrar a Deus.O louvor e a oração mesclam-se e aquele que aqui exalta a obra de Deus no mundo também suplica por uma obra da graça em si mesmo. 

- Meditação por Eunice Ferreira -